Destaque

San Andrés: onde a minha história começou

Este é o resumo do post.

Todas as histórias têm um começo, como aquela primeira linha do primeiro capítulo que está por iniciar. E, a minha, posso dizer que começou em uma ilhazinha caribenha, localizada na Colômbia e é conhecida pelo nome de “San Andrés”.

Contando como a minha história de amor começou, há menos de 2 anos eu realizei a minha primeira viagem internacional ao lado da minha irmã, mas o que eu nunca imaginava é que, quando sentei na janelinha do avião e encarei 2 escalas (uma em Peru e outra em Bogotá), eu não estava indo apenas ao destino de um lugar esplêndido, mas também ao encontro que estava destinado a acontecer. E esse encontro foi com o amor da minha vida: um chileno.

A imagem pode conter: 5 pessoas, incluindo Aline Aprileo e Audrey Aprileo, pessoas sorrindo, óculos de sol, atividades ao ar livre e close-up
Eu, de brinco branco e, dando um “joinha”, ao meu lado está o Paulo

Era uma tarde de uma terça-feira, em pleno verão do mês de fevereiro, quando nos “encontramos” na praia de Spratt Bight, bem no centro de San Andrés. Tinha tudo para dar errado, mas acredito que Deus planejou direitinho. Digo isso porque antes de eu e minha irmã decolarmos, acabamos mudando as datas da viagem. Caso não tivéssemos feito essa mudança, o dia que eu e o Paulo nos conhecemos seria o dia que eu e minha irmã estaríamos voltando para o Brasil e, provavelmente, não teríamos nos encontrado. Além disso, prova maior que era destino é que naquela mesma terça-feira nós duas tínhamos perdido a hora para ir a um passeio em outra ilha. Logo, ficamos pela praia do centro mesmo.

Não vou entrar em muitos detalhes, mas vou dizer que foi mágico e nos sentimos como se já nos conhecíamos há anos e anos. Foi uma ligação difícil de explicar.

Depois do primeiro dia que nos vimos, ficamos nos relacionando à distância (quilômetros e quilômetros de distância) e, a cada dois meses mais ou menos, nos propúnhamos a viajar. Logo, nossa escala era sempre Brasil-Chile e Chile-Brasil.

Ficamos assim por mais de um ano, até que chegou a um ponto que decidimos que queríamos estar juntos todos os dias. O resultado é que eu tomei a decisão de largar família, emprego e carreira sólidos no Brasil e me mudei para Santiago, no Chile. (sobre o país andino, eu prometo que faço um texto com dicas e curiosidades, mas, posso afirmar que este novo capítulo também está sendo tão mágico quanto o primeiro).

San Andrés tem um cantinho especial em nossas vidas e em meu coração. Fiquei uma semana na ilha e conheci quase tudo lá. Muitas pessoas já vieram, em algum momento, pedir dicas de passeios e prometo que em breve faço uma postagem especial sobre o lugar, ok?

Por causa dessa viagem e desse encontro que o Our Destiny está aqui hoje, com a promessa de contar tantas outras histórias bonitas quanto a minha.

Espero que tenham gostado! Até a próxima história! ❤

****

Versión en Español

Todas las historias tienen un comienzo, como aquella primera línea del primer capítulo que está por comenzar. Y, la mía, puedo decir que comenzó en una isla caribeña, ubicada en Colombia y es conocida por el nombre de “San Andrés”.

Mi historia de amor comenzó hace menos de 2 años, cuando realicé mi primer viaje internacional al lado de mi hermana. Pero lo que nunca me imaginaba es que cuando me senté en la ventanilla del avión y  hice 2 escalas (una en Perú y otra en Bogotá), yo no sólo iba al destino de un lugar espléndido, sino también al encuentro que estaba destinado a suceder. Y ese encuentro fue con el amor de mi vida: un chileno.

Era una tarde de un martes, en pleno verano del mes de febrero, cuando nos encontramos en la playa de Spratt Bight, justo en el centro de San Andrés. Tenía todo para ir mal, pero creo que Dios planeó bien. Digo esto porque antes de que yo y mi hermana despegarmos, acabamos cambiando las fechas del viaje. Si no hubiésemos hecho ese cambio, el día que yo y el Pablo nos conocemos sería el día que yo y mi hermana estaríamos volviendo a Brasil y probablemente no nos habríamos encontrado. Además, prueba más grande que era destino es que en ese mismo martes nos habíamos perdido la hora para ir a un paseo en otra isla. Luego, nos quedamos por la playa del centro mismo.

No voy a entrar en muchos detalles, pero voy a decir que fue mágico y nos sentimos como si ya nos conocíamos desde hace años y años. Fue un enlace difícil de explicar.

Después del primer día que nos vimos, nos relacionamos a distancia (kilómetros y kilómetros de distancia) y, cada dos meses más o menos, nos propusimos viajar. Luego, nuestra escala era siempre Brasil-Chile y Chile-Brasil.

Nos quedamos así por más de un año, hasta que llegó a un punto que decidimos que queríamos estar juntos todos los días. El resultado es que tomé la decisión de dejar familia, empleo y carrera sólidos en Brasil y me mudé a Santiago de Chile. (sobre el país andino, prometo que hago un texto con consejos y curiosidades, pero, puedo afirmar que este nuevo capítulo también está siendo tan mágico como el primero).

San Andrés tiene un rincón especial en nuestras vidas y en mi corazón. Me quedé una semana en la isla y conocí casi todo allí. Muchas personas ya han venido, en algún momento, a pedir consejos de paseos y prometo que pronto hago una entrada especial sobre el lugar, ok?

Debido a ese viaje y de ese encuentro que Our Destiny está aquí hoy, con la promesa de contar tantas otras historias bonitas como la mía.

¡Espero que les haya gustado! ¡Hasta la próxima historia! ❤

 

 

 

 

 

O que o abraço une, não há oceano que separe!

Essa história de true love intercontinental começou pela internet, em junho de 2017, em um bate-papo comum desses aplicativos de relacionamento, entre Yann, um Francês de Paris e eu, Amanda, uma brasileira de São Paulo.

Logo de início, o Yann me disse o quanto amava a cultura brasileira: a língua (sim, muitos gringos acham o nosso Português bem lindo!), a Bossa Nova, o Lampião, os filmes do Glauber Rocha… Disse que conhecer o Brasil era um sonho desde a adolescência, mas um sonho sem data definida.

Bem, depois de oito meses de muitas mensagens, muitos áudios e algumas chamadas de vídeo, não é que o francês decidiu comprar a passagem para atravessar o Atlântico e vir conhecer a mim e a esse “país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza”? Mas que beleza! E sim, em fevereiro, que tem carnaval, pois eu disse que se ele estava interessado na cultura daqui, seria legal se viesse para a erupção musical, social e emocional que é esse período, inclusive porque eu toco em um bloco!

whatsapp image 2018-09-28 at 15.39.50
Amanda Laurentin e Yann durante o Carnaval de São Paulo, em 2018

Três outros longos meses de fusos horários e expectativas se passaram, fevereiro chegou e parti pra encontrá-lo numa linda sexta-feira de carnaval, cheia de sol, luzes e sorrisos! Sim, nos olhamos e era tudo muito forte e recíproco. Os quatro dias na minha casa viraram nove, a energia do abraço era e é amor puro mesmo, e o mês de Brasil se fez em aventuras por São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, unindo amigos, os interesses do mozão, que também passeiam pela cultura japonesa, e claro, muita batucada, muito glitter e muita dança na rua!!!

Estamos juntos há quase um ano e nossa história também já presenciou três meses de chamego no Velho Mundo, quando fui para a Europa em 2018 e pudemos percorrer por Paris, cidades do interior da França, Barcelona e Lisboa. Foram muitos castelos, muita arquitetura maravilhosa e diversos estilos e períodos, muita comida gostosa – e outras nem tanto – e o principal, o amor que se reafirma, seja no dormir e acordar de todo dia, seja nos áudios de “Bom Dia” e “Boa Noite”, já que voltamos à distância física, mas não por muito tempo.

*Amanda Laurentin Silva, 31 anos, é historiadora da arte e, por enquanto, vive em São Paulo.

As 40 horas que mudaram minha vida

Desde pequena tive o sonho de conhecer o Canadá. Da mesma forma que outras crianças sonham em ir pra Disney e as adolescentes se imaginam em Paris, o meu coração sempre me levava para a terra dos alces, do hockey e do maple syrup. Não sei direito explicar esse meu desejo, mas me lembro de, aos 7 ou 8 anos, ter assistido um documentário sobre os ursos canadenses. Desde então, minha paixão pelo país só aumentava.

Quando consegui tirar as minhas primeiras férias depois de alguns anos trabalhando, não tive dúvidas na hora de escolher o destino: finalmente eu iria pro Canadá! Seria minha primeira viagem internacional sozinha e eu estava muito animada!

Montei meu roteiro, fiz as malas e embarquei em uma viagem de mochileira pela costa leste do país, em maio de 2015. Foram 25 dias, nos quais passeei por Toronto, Niágara, Ottawa, Montreal e Quebec. Durante aquelas semanas, conheci muita gente, fiz amizade com londrinos, com indianos e até com filipinos! Que baita experiência!

Mas a minha vida mudou mesmo foi durante meus poucos dias no meu último destino, Quebec. Foi lá que, em uma tarde ensolarada de sábado, no parque mais bonito da cidade, eu queria que alguém me ajudasse com uma foto, já que selfies não são o meu forte. E quis o destino que o grande amor da minha vida, meu quebequense, estivesse ali, sentado a poucos metros de mim, apreciando também aquela vista incrível do rio São Lourenço. Depois da foto, a conversa não parou mais, falamos sobre tantas coisas, com tanta naturalidade…

Surgiu o convite pra jantarmos e depois, pra nos encontrarmos novamente no dia seguinte, pra um passeio pela ilha que fica a poucos quilômetros do centro da cidade. O nosso dia foi incrível e eu não queria que chegasse a despedida. Eu iria embora de Quebec na segunda-feira, logo após o café da manhã, mas meu coração não aceitava a ideia de partir.

Foram 40 horas juntos e o início da nossa história de amor. De lá pra cá, já se foram 3 anos, muitas milhas de avião, incontáveis horas no Skype e um pedido de casamento! Eu não poderia estar mais feliz!

IMG_20160824_165731589

Fernanda Pierina e Guillaume Verreault, em uma de suas viagens (British Columbia – oeste do Canadá)

Claro que namoros à distância não são fáceis, namoros internacionais são ainda mais complicados. São línguas e culturas diferentes. Mas se mesmo com tantos empecilhos, ambos decidem investir nesse relacionamento, a distância só fortalece a relação. Os nossos 8 mil quilômetros que o digam!

Hoje, olhando pra nossa história, eu gosto de pensar que aquele meu sonho de criança era, na verdade, a Vida me intuindo a ir ao encontro do meu destino!

“Todas as histórias de amor são bonitas. Mas a nossa é a minha favorita”. Li essa frase em algum lugar e eu não poderia ter escrito nada melhor s2

*Fernanda Pierina é jornalista e atualmente vive com o seu noivo no Canadá

O que não te contam quando você vai morar em outro país

Ir morar em outro país é o desejo de muita gente, já que essa pode ser a oportunidade para aperfeiçoar um idioma, conhecer pessoas diferentes, crescer em todos os sentidos da sua vida e enriquecer a sua bagagem cultural.  Mas, ainda que sejam muitos os conselhos dos amigos e pessoas próximas que te incentivam a largar tudo e se jogar, acredite, a decisão de partir não é tão fácil assim. Além disso, mais que ir, quando o assunto é viver fora, há coisas que ninguém te conta e você só aprende quando você já está partindo ou já partiu.

Já viajei para fora do país 4 vezes, mas essa última, em que realmente viajei para me mudar, foi completamente diferente. Pensando nisso, resolvi compartilhar a minha recente experiência, contando 5 coisas que só aprendi quando pousei em terras não brasileiras, mas que ninguém havia me dito antes, e que podem ajudar outros corajosos como eu que estão pensando em criar asas e voar.

1. A decisão. Decidir largar tudo é para os fortes. Eu larguei tudo em meus país para me aventurar mundo afora. Me desliguei de emprego e uma carreira sólida após anos de estudos e especializações. Deixei para trás família e todo o conforto e comodidade que meus pais ofereciam. Dei tchau a amigos e pessoas queridas. E, mais que isso, dei adeus à minha zona de conforto e à vida que levava anos e anos. Por mais que a vontade de ir seja grande, quando o momento de desocupar a mesa do escritório que foi sua por tantos anos chega, você vai se questionar se tomou a decisão certa. E, a cada despedida, essa dúvida vai voltar a martelar na sua cabeça, pois a apreensão de não conseguir trabalho, dinheiro e de não se adaptar é enorme. Mas, calma, é normal sentir medo nessa hora. O que você pode tentar fazer é não se esquecer de que viverá as melhoras experiências da sua vida. E trabalho, acredite, aparecerá. Eu mesma, em duas semanas, já consegui um trabalho em uma multinacional e vou atuar na minha área de formação.

2. Uma vida em umas poucas malas. Pode parecer mentira, mas fazer as malas, por mais que seja um desafio tremendo transferir a sua vida em alguns quilos de bagagem, é a parte mais fácil. Na hora de colocar seus itens, leve aquilo de mais essencial. Sei que é difícil deixar aquele sapato que você tanto gosta, mas pergunte-se se ele seria confortável para as tantas estradas que você vai percorrer em distintas paisagens. Ao se fazer essa pergunta, o desapego é mais fácil. (Sim, confesso que sofri muito em deixar livros, saltos e objetos pessoais que tanto gostava).

3. O até logo. Um dia antes de viajar eu dormi mal e tive várias sensações, de euforia à tristeza. No dia que decolei, sentia frio e calor ao mesmo tempo por causa da ansiedade. Porém, nada disso superou o momento mais difícil, dizer “até logo” à minha família.  Antes de embarcar, aproveite os milésimos de segundos durante aquele último olhar, o último abraço, as últimas palavras e o último beijo que trocará com seus pais e sua família. Pode apostar, essas serão algumas das demonstrações de carinho que você se lembrará com mais intensidade e que jamais sairão da sua memória.

4. As primeiras impressões. Chegar em um país que não é seu, agora como não turista, dá uma tremenda insegurança e, ao mesmo tempo, te deixa mais corajoso para se virar, porque você não tem medo de perguntar como se chama tal coisa na língua local e não tem vergonha de dizer “eu não entendi”. Esta última parte, por exemplo, por mais que você domine o idioma do país que vai viver, pode apostar que serão vários os momentos que vai se sentir mal por não compreender algumas frases. Mas, lembre-se, é perguntando e estudando que se aprende e, com o passar dos tempos, seu ouvido já estará acostumado com aquele “cachai” que tanto escutava antes e não compreendia.

5. O desafio da ausência. Para mim, essa é a parte mais difícil, já que, quando se mora em outro país, por mais que a tecnologia esteja aí para te ajudar a se aproximar de quem gostamos, é doloroso perder aquela reunião familiar,  não receber aquele abraço apertado e não poder recorrer ao colo da sua mãe quando você precisa. Enquanto você recomeça a sua vida em um país no qual os desafios são diários (diria que a cada hora é uma nova superação), muito maiores e muito mais intensos, a vida de quem deixou em sua terra natal segue mesmo sem você e é isso que você deve pensar quando a tristeza e um pequeno arrependimento baterem.

Por fim, se pudesse dar um conselho àqueles que estão com a dúvida de largar tudo e ir se aventurar em novas terras, eu diria: vá! Crie asas e voe! Você vai sentir medo, vai achar que tomou a decisão errada e, em alguns momentos, vai pensar em desistir e vai querer voltar, principalmente quando as maiores pedras atrapalharem o seu caminho. Mas, saiba que a sensação de superação a cada desafio diário, o aprendizado, as novas pessoas que conhecer, a nova cultura, a nova língua que vai falar e a cada suspiro que vai dar quando seus olhos verem paisagens de tirar o fôlego e a cada minuto de felicidade que essa etapa te proporcionará serão muito maiores que esse sentimento que tanto te impede de voar.

Siga essas 5 etapas e voe, meu amigo! O mundo é muito grande para estacionarmos em um só lugar!

Chile: 10 Curiosidades sobre o país

Em poucos dias completo 5 meses de residência aqui no Chile. Além do frio bem mais intenso que ao que estava acostumada em São Paulo, muitas coisas me chamaram atenção por serem diferentes das do nosso querido Brasil.

Algumas delas reuni aqui com vocês, com a missão de entenderem um pouco como o país é considerado o Brasil que deu certo.

1. Cachorros de rua são super bem cuidados e, no frio, andam até de roupinha. Eles são bem gordinhos e estão por todos os lados. Andam ao seu lado na calçada e atravessam a rua ao seu lado também. Essa é uma das coisas que mais acho fofa aqui. E todos eles são grandes. Já vi até labrador e Golden de rua. Quase roubei para mim.

2. Cafézinho? Os chilenos não são muito de café. Aqui eles tomam muito chá. Sabe aquele cafezinho da tarde? Então, aqui se chama once e é com chá, que se chama . Sinto falta do nosso rico café, forte e amargo.
3. Definições de perto e longe foram atualizadas. Aqui em Santiago, o longe, para nós de SP, é perto, já que a cidade é dez vezes menor que a nossa. Ah, e aqui caminha-se bastante. Faço quase tudo andando.
4. Gentileza? Os chilenos são bem mais frios que nós, mas, quando vão nos conhecendo, podem ser tão gentis e carinhosos quanto os brasileiros.
5. Horário de inverno. No verão, anoitece umas 21h, mas, no inverno chegando, você levanta 7 da manhã e está escuro e 17h o sol já foi embora. Por isso, na estação mais fria do ano o Chile fica uma hora a menos que no Brasil, já que atrasa os relógios.
6. Cachorro quente com abacate? Aqui, cachorro quente com todos ingredientes se chama “completo” e, além da salsicha, pão, maionese e katchup, vai com tomate e abacate também. Eu, particularmente, não gostei. Prefiro sem o abacate, que aqui se chama “palta”.
7. Trabalhar de bike? Os chilenos andam muito de bicicleta, principalmente para trabalhar. Por isso, aqui, além do cuidado com os carros na hora de atravessar a rua, você tem que prestar muita atenção nas bikes.
8. Carros. Falando-se em carro, então, aqui eles são beeeem mais baratos que no Brasil. Por isso, quase toda família tem mais de um automóvel na garagem. E moto raramente você vê.
9. Metrô é bom ou ruim? O metrô é tão cheio quanto o nosso, mas o nosso é bem mais moderno e maior que o do Chile. O que me surpreendeu é que, mesmo nas muvucas e mesmo muitos não pedindo licença (que se fala permiso), ainda assim eles são mais educados que nós.
10. Alto custo de vida. Aluguel e comida em Santiago são super caros. Em alguns bairros, chegam a ser mais caros que em uma região nobre de SP. Não à toa, a cidade está no ranking de uma das cidades mais caras para se viver.
E aí, o que achou? Tem alguma outra curiosidade que quer compartilhar conosco?

San Andrés: 5 passeios imperdíveis para fazer

A primeira história de amor (ou melhor, a minha história) contada aqui teve como cenário a ilha caribenha de San Andrés. O lugar paradisíaco faz parte de um arquipélago que abrange, além de San Andrés, as ilhas de Providência e Santa Catalina. O conjunto de ilhas também é conhecido como “mar das sete cores” e essa fama, acreditem, não é em vão.

Estive em San Andrés em fevereiro de 2017 e me apaixonei (literalmente também) pelo paraíso colombiano e o mar do Caribe. Tanto que, entre meus próximos destinos, com certeza voltar para a ilha está nos planos.

O lugar vem ganhando a atenção de turistas ao redor do mundo e, pensando em compartilhar a minha experiência mágica e incentivar tantas pessoas que têm vontade de conhecer San Andrés, separei 5 passeios que, na minha opinião, não podem faltar.

1. Dar a volta na ilha: Você consegue, literalmente, dar a volta na ilha alugando um carrinho de golfe ou uma moto (mulinha). O passeio te oferece vistas incríveis de praias e natureza que embelezam o lugar. Além disso, foi durante a volta na ilha que vários nativos paravam para nos saludar com um lindo sorriso no rosto. Experiência incrível!

2. West View é como um pequeno parque aquático, que possui uma piscina natural, repleta de peixes, com trampolim e tobogã (esses dois são a atração mais divertida e talvez o maior sucesso).

3. Parasail é um voo de paraquedas rebocado por uma lancha, em que você fica conectado por cintos de segurança e, por mais ou menos 20 minutos, voa acima da ilha e consegue ver as várias tonalidades de azul do mar caribenho. Pode parecer exagero, mas esse é o melhor passeio de todos. Eu cheguei a me emocionar quando vi toda essa beleza lá de cima.

parasail

4. Acuario é um pequena ilha que fica a 5 minutos de barco de San Andrés. Sua maior atração, sem dúvidas, é sua barreira de corais que transforma o local em um grande aquário natural de água cristalina, onde não há ondas e você mergulha tranquilamente entre várias espécies de peixes e raias. Ao lado de Acuario há ainda uma ilhota chamada Haynes Cay, em que é possível chegar até ela caminhando.

acuario

5. Parque Regional Johhny Cay é uma ilha visível da praia principal de San Andrés (Sprat Bight). O lugar tem como características principais suas palmeiras, a praia mais branca e as ondas mais fortes, daquelas de derrubar os banhistas (eu mesmo caí várias vezes). Lá você também pode ser surpreendido pelos habitantes da ilha: os inúmeros lagartos.

E aí, gostou? De se apaixonar, não é mesmo?

ENCONTROS E VIAGENS: BOAS HISTÓRIAS PARA CONTAR

Este será o primeiro post do Blog Our Destiny e não poderia começá-lo sem deixar de explicar os motivos que me levaram a criá-lo. Confesso que pensei muito sobre o assunto e a insistência de muitas pessoas que conhecem a minha história me impulsionou a chegar até aqui.
Vamos lá…
Há menos de 2 anos eu realizei a minha primeira viagem internacional e fui conhecer uma ilha caribenha localizada na Colômbia: San Andrés.
O que eu nunca imaginava é que, quando sentei na janelinha do avião e encarei 2 escalas (uma em Peru e outra em Bogotá), eu não estava indo apenas ao encontro de um lugar mágico, mas também ao encontro que estava destinado a acontecer. E esse encontro foi com o amor da minha vida: um chileno.
Sempre gostei de histórias de amor, sejam elas entre duas pessoas, sobre o amor que temos com um animal de estimação, com algum amigo ou mesmo com membros da nossa família.
Talvez por isso, e também por ser uma pessoa super romântica, eu sempre pensei e sonhei viver uma história de cinema (sim, várias vezes e por experiências não tão legais cheguei a pensar “que bobeira, isso só acontece no cinema”). Mas, para a minha surpresa e surpresa de muitos, eu posso afirmar que essa minha história começou ali, no mar daquela ilhazinha incrível.
Foi nesta viagem que encontrei a pessoa que divido uma vida hoje, quem me fez largar tudo para viver em outro país e encarar um novo desafio. Loucura?! Pode ser, mas a vida é feita de loucuras que nos fazem mais felizes 🙂
Atualmente vivo no Chile e por conta dessa minha “loucura” fui conhecendo outras pessoas que também foram surpreendidas pela vida e tiveram encontros destinados a acontecer, assim como o meu, e que vou contar aqui.
cropped-cropped-img_2823-23.jpg
A ideia é falar de histórias que começaram em uma viagem e, claro, como consequência, dar dicas desses lugares que serviram de cenário para esses “encontros”.
Seja bem vindo (a) e deixe-se se encantar e se emocionar com essas histórias e por esses lugares incríveis mundo a fora.
…….
Español

Encuentros y viajes: buenas historias para contar

Este será el primer post de Blog Our Destiny y no podría empezar sin dejar de explicar los motivos que me llevaron a crearlo. Confieso que pensé mucho sobre el tema y la insistencia de muchas personas que conocen mi historia me motivó a llegar hasta aquí.

Vamos allá…

Hace menos de 2 años realicé mi primer viaje internacional y fui a conocer una isla caribeña ubicada en Colombia: San Andrés.

Lo que nunca imaginaba es que cuando me senté en la ventanilla del avión y encanta 2 escalas (una en Perú y otra en Bogotá), yo no estaba sólo al encuentro de un lugar mágico, sino también al encuentro que estaba destinado a suceder. Y ese encuentro fue con el amor de mi vida: un chileno.

Siempre he disfrutado de historias de amor, ya sea entre dos personas, sobre el amor que tenemos con una mascota, con algún amigo o incluso con miembros de nuestra familia.

Tal vez por ser una persona súper romántica, siempre pensé y soñé vivir una historia de cine (sí, muchas veces y por experiencias no tan buenas llegué a pensar “qué tonta, eso sólo sucede en el cine”). Pero para mi sorpresa y sorpresa de muchos, puedo afirmar que mi historia empezó allí, en el mar de aquella increíble isla.

Fue en este viaje que encontré a la persona que divida una vida hoy, quien me hizo soltar todo para vivir en otro país y encarar un nuevo desafío. Locura?! Puede ser, pero la vida está hecha de locuras que nos hacen más felices 🙂

Actualmente vivo en Chile y por esta mi “locura” fui conociendo a otras personas que también fueron sorprendidas por la vida y tuvieron encuentros destinados a suceder, así como el mío, y que voy a contar aquí. La idea es hablar de historias que comenzaron en un viaje y, claro, como consecuencia, dar consejos de esos lugares que sirvieron de escenario para esos “encuentros”.

Bienvenido (a) y déjese encantar y emocionarse con esas historias y por esos lugares increíbles mundo afuera.